13 de mai de 2010

FOI PRESA............
Cotidiano

Procuradora chora ao ser presa e ouvir acusação no Rio, afirma juiz

PUBLICIDADE
DIANA BRITO
da Sucursal do Rio
A procuradora aposentada Vera Lúcia de Sant'Anna Gomes, 57, chorou nesta quinta-feira ao se apresentar à Justiça e ouvir que é acusada de torturar uma menina de 2 anos que estava sob sua guarda para adoção, segundo o juiz Guilherme Schilling Pollo Duarte, da 32ª Vara Criminal de Justiça do Rio.
Procuradora foragida pode estar escondida em SP ou PR
Cartaz dobra nº de denúncias sobre paradeiro de procuradora
Disque-Denúncia divulga cartaz com foto de procuradora
Justiça nega habeas corpus para procuradora no Rio
Procuradora acusada de agredir criança foi detida antes do mandado de prisão
Procuradora nega maus-tratos contra menina de 2 anos, diz advogado
De acordo com ele, a procuradora recebeu voz de prisão e se emocionou enquanto era lida a acusação. Vera Lúcia se apresentou no final da manhã, acompanhada de dois advogados. Ela era procurada desde a semana passada, quando teve a prisão decretada.
Segundo o juiz, a procuradora disse apenas que quer apresentar sua defesa. Os advogados terão dez dias para isso.
A procuradora foi levada para a carceragem do Tribunal de Justiça, onde permanecia por volta das 14h. Depois, ela deverá ser levada para a Polinter e, posteriormente, para uma cela especial em Bangu 8.
Habeas corpus
Na segunda-feira (10), a Justiça do Rio negou liminar (decisão provisória) que pedia a liberdade provisória da procuradora aposentada. A decisão é referente a um pedido feito no dia 7 de maio pelo advogado da acusada.
A Justiça ainda julgará o mérito do habeas corpus, mas o Tribunal de Justiça não informou quando será o julgamento.
Disque-Denúncia
Nesta semana, o Disque-Denúncia divulgou um cartaz com a foto da procuradora aposentada. O serviço informou que, em um dia, o número de denúncias sobre o caso dobrou.
A procuradora estaria escondida em São Paulo ou no Paraná, segundo informações do Disque-Denúncia. Ainda não há, no entanto, informações sobre o local onde a Vera Lúcia esteve escondida.
Agressão
A criança agredida estava sob a guarda da procuradora desde 14 de março. No dia 15 de abril, após denúncia, uma equipe da Vara da Infância, acompanhada de uma juíza, uma promotora e oficial de Justiça, foi à casa da procuradora. Machucada, a menina foi levada para o hospital municipal Miguel Couto, na Gávea (zona sul). Com os olhos inchados, ela precisou ficar três dias internada.
A denúncia (acusação formal) contra a procuradora foi feita no começo de maio pelo Ministério Público, que pediu sua prisão preventiva pelo crime de tortura. Os promotores responsáveis pela acusação, afirmam que ela submeteu a criança "a intenso sofrimento físico e mental, agredindo-lhe de forma reiterada, como forma de aplicar-lhe castigo pessoal".

Nenhum comentário:

Quem somos nós

Minha foto
bando de profissionais desocupados porém cheio de coisas para fazer mas não sabem exatamente por onde começar!...então começam por aqui!